terça-feira, 11 de março de 2008

BIÓLOGOS DESCOBREM ESPÉCIE DE PERERECA


Conforme notícia do Jornal "O Tempo" do dia 11/03/2008, p.A9:



Uma dupla de epsquisadores brasileiros descobriu uma nova espécie de perereca: a pequena Gastrotheca pulchra. Esse novo anfíbio carrega seus filhotes em uma bolsa até que eles estejam prontos para enfrentar seu habitat e vive na mata Atlântica do sul da Bahia. A perereca-canguru acaba de ser apresentada à ciência

sábado, 1 de março de 2008

TEXTO REFLEXIVO DO TEÓLOGO LEONARDO BOFF

O Resgate da Utopia
No desamparo que grassa na humanidade atual faz-se urgente resgatar-se o sentido libertador da utopia. Na verdade, vivemos no olho de uma crise civilizacional de proporções planetárias. Toda crise oferece chances de transformação, bem como riscos de fracasso. Na crise, medo e esperança se mesclam, especialmente agora que estamos já dentro do aquecimento global. Precisamos de esperança. Ela se expressa na linguagem das utopias. Estas, por sua natureza, nunca vão se realizar totalmente. Mas elas nos mantêm caminhando. Bem disse o irlandês Oscar Wilde: "Um mapa do mundo que não inclua a utopia não é digno de se espiar, pois se ignora o único território em que a humanidade sempre atraca, partindo em seguida para uma terra ainda melhor". Entre nós, acertadamente, observou o poeta Mário Quintana: "Se as coisas são inatingíveis, ora!/Não é motivo para não querê-las/Que tristes os caminhos se não fora/A mágica presença das estrelas".
A utopia não se opõe à realidade, antes pertence a ela, porque esta não é feita apenas por aquilo que é dado, mas por aquilo que é potencial e que pode um dia se transformar em dado. A utopia nasce desse transfundo de virtualidades presentes na história e em cada pessoa. O filósofo Ernst Bloch cunhou a expressão princípio-esperança. Por princípio-esperança, que é mais que a virtude da esperança, ele intende o inesgotável potencial da existência humana e da história que permite dizer não a qualquer realidade concreta, às limitações espácio-temporais, aos modelos políticos e às barreiras que cerceiam o viver, o saber, o querer e o amar.
O ser humano diz não porque primeiro disse sim: sim à vida, ao sentido, aos sonhos e à plenitude ansiada. Embora realisticamente não entreveja a total plenitude no horizonte das concretizações históricas, nem por isso ele deixa de ansiar por ela com uma esperança jamais arrefecida. Jó, quase nas vascas da morte, podia gritar a Deus: "mesmo que Tu me mates, ainda sim espero em Ti". O paraíso terrenal narrado no Gênesis 2-3 é um texto de esperança. Não se trata do relato de um passado perdido e do qual guardamos saudades, mas é antes uma promessa, uma esperança de futuro ao encontro do qual estamos caminhando. Como comentava Bloch: "o verdadeiro Gênese não está no começo, mas no fim". Só no termo do processo da evolução serão verdadeiras as palavras das Escrituras: "E Deus viu que tudo era bom". Enquanto evoluímos, nem tudo é bom, só perfectível.
O essencial do cristianismo não reside em afirmar a encarnação de Deus. Outras religiões também o fizeram. Mas é afirmar que a utopia (aquilo que não tem lugar) virou eutopia (um lugar bom). Em alguém, não apenas a morte foi vencida, o que seria ainda pouco, mas todas as virtualidades escondidas no ser humano explodiram e implodiram. Jesus é o "Adão novíssimo" na expressão de São Paulo, o homem abscôndito agora revelado. Mas ele é apenas o primeiro dentre muitos irmãos e irmãs: nós seguiremos a ele, completa São Paulo.
Anunciar tal esperança no atual contexto sombrio do mundo não é irrelevante. Transforma a eventual tragédia da Terra e da humanidade, devido às ameaças sociais e ecológicas, numa crise purificadora. Vamos fazer uma travessia perigosa, mas a vida será garantida e o planeta ainda se regenerará.
Os grupos portadores de sentido, as religiões e as Igrejas cristãs, devem proclamar de cima dos telhados semelhante esperança. A grama não cresceu sobre a sepultura de Jesus. A partir da crise da sexta-feira da crucificação, a vida triunfou. Por isso a tragédia não pode ter a última palavra. Esta a tem a vida em seu esplendor solar.
Fonte: Jornal O Tempo, Belo Horizonte, sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008. Página A11.

PARA REDUZIR O "UMBIGOCENTRISMO" HUMANO!

Esta notícia é para aquele tipo de pessoa que afirma e que o ser humano é racional, que é diferente dos outros seres, que por isso pode (e deve - absurdo!!!) mudar a natureza a seu belprazer e blá, blá, blá, blá....
Tomem esta no queixo, senhores "papudos":

CRESCE LAÇO ENTRE HOMEM E MACACO
Humanos e chimpanzés ativam a mesma área cerebral quando se comunicam

ATLANTA, EUA - A região do cérebro encarregada da comunicação, tanto a falada quanto a de sinais, é a mesma nos humanos e nos chimpanzés, o que reforça a teoria, comprovada geneticamente, de que ambos têm origem em um ancestral comum. Assim indica o estudo de uma equipe de cientistas publicado ontem na revista digital "Current Biology".
"O comportamento comunicativo dos chimpanzés tem muitas características semelhantes à linguagem humana", afirma Jared Taglialatela, do Centro Nacional de Pesquisas de Primatas de Yerkes, em Atlanta (EUA), membro da equipe que realizou o estudo. A pesquisa sugere que "as bases neurológicas da linguagem humana já estavam presentes no ancestral comum do homem e do chimpanzé", afirmou o investigador.
A equipe de cientistas identificou a área de broca, parte da região cerebral conhecida como giro frontal inferior, no hemisfério esquerdo, como um dos sistemas neuronais que são ativados quando o ser humano se prepara para dizer algo e quando fala ou gesticula.
"Antes não sabíamos se outros primatas, e principalmente nosso mais próximo parente vivo, o chimpanzé, possuía uma região cerebral comparável, relacionada à produção de seus próprios sinais de comunicação", afirmou Taglialatela.
Para o estudo, os pesquisadores submeteram três chimpanzés a uma tomografia computadorizada do cérebro enquanto eles gesticulavam e chamavam uma pessoa, pedindo que levasse comida. Os animais mostraram uma ativação da área de broca e outras regiões envolvidas na comunicação humana.
Os pesquisadores interpretam o resultado como a prova de que os chimpanzés têm um cérebro preparado para a linguagem, embora admitam que "é possível argumentar que, como os símios nasceram em cativeiro e produziram sinais que não são comuns quando estão em liberdade, a aprendizagem desses sinais induziu a ativação cerebral que vemos".
Fonte: Jornal O Tempo, Belo Horizonte, sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008. Página A11.