quinta-feira, 22 de abril de 2010

Pedido dos animais!!!

segunda-feira, 29 de março de 2010

Ser Humano: animal, vegetal ou alienígena?

Lembro-me, alguns anos atrás, durante minha graduação em Ciências Sociais na PUC Minas, mais especificamente durante a aula de Tópicos Contemporâneos em Sociologia, ministrada pelo professor Manoel Neto, que, quando o referido professor expunha as teorias sociológicas de Robert K. Merton(1) acerca do fenômeno da violência em sociedade, levantei o dedo e, quando foi concedida a mim a palavra, fiz a observação de que o famoso etologista Konrad Lorenz, agraciado com o Nobel de Fisiologia/Medicina em 1973, por seus estudos sobre o comportamento animal, havia escrito, em seu famoso livro “Civilização e Pecado: os oito erros capitais do homem moderno”, o seguinte trecho:

Amontoar os homens em espaços limitados leva de forma indireta a atos de desumanidade provocados pelo esgotamento e desaparecimento progressivo dos contatos, e é a causa direta de todo um comportamento agressivo. Numerosas experiências realizadas em animais nos ensinaram que a agressividade entre congêneres pode ser estimulada amontoando-os em espaço limitado. (LORENZ, K., 1973, p.28)

Tão logo terminei minha observação, Neto criticou-a, afirmando que nós, seres humanos,
não somos animais, ao qual trepliquei, de pronto: “Ah, não?! Então, somos vegetais?!”. Diante de minha interpelação, desorientado e um pouco irritado, tentou consertar, dizendo se tratar, o ser humano, de um animal racional.

Pois bem, o acontecimento acima citado ilustra grandemente como, até os dias de hoje, a concepção
ANTROPOCÊNTRICA segundo a qual nós, seres humanos, somos uma espécie distinta, à parte de toda a cadeia da vida e da classificação biológica (classificação científica) e, de certa forma, superiores às demais espécies que compõem o planeta (que possibilitam existir o que chamamos de VIDA) prevalece, até mesmo, nos meios acadêmicos e discursos de seus professores que, diante do status social que ocupam, podem influenciar, sobremaneira, as concepções de seus alunos.

Ora, se nós pararmos para refletir bem acerca do comportamento humano, perceberemos que é justamente esta concepção
equivocada de que o ser humano é o “centro da natureza” que vem legitimando tamanho desrespeito a todas as formas vivas e não-vivas que nos cercam, como se não dependêssemos delas, como se fôssemos o “ser” que as criou e detém o mesmo direito de aniquilá-las. Pensadores, tais como James Lovelock e sua Hipótese de Gaia, bem como Fritjof Capra e seu pensamento sistêmico, Arne Naess e as bases da chamada Ecologia Profunda, dentre outros, já elucidaram como uma concepção cartesiana, mecanicista e superficial de mundo, além de anacrônica e tendenciosa, pode levar-nos, todos, a um desfecho, senão trágico, bem próximos disso.

Voltando ao exemplo de minha aula, o professor Neto até compreendera, perfeitamente, que nós, seres humanos, não somos classificados biologicamente como vegetais. Contudo, sua percepção do ser humano como “animal racional”, além de remontar ao cartesianismo/mecanicismo de séculos atrás, não contempla a real situação de
os seres humanos serem, apenas, e tão somente, mais um fio da enorme “teia da vida” e que, de maneira complementar, os elementos que a compõem são, TODOS, interdependentes, apresentando, portanto, mesmíssimo valor uns e outros(2).

Diante de tudo que expus até aqui, e de modo conclusivo,
AFIRMO: Nós, seres humanos, não somos vegetais. Também não somos alienígenas ou seres à parte da natureza. Somos animais, alguns diriam “racionais”, embora nossas faculdades intelectuais, que nos permitem aprender, refletir, raciocinar, não estejam nos ajudando a respeitar o Planeta e perceber que, acabando com ele, estamos acabando com nós mesmos. Portanto, e atentem-se TODOS ao que direi, apesar de sermos animais, não passamos de mais um FILHO da Terra e IRMÃOS DE TUDO O QUE NOS CERCA.


NOTAS:
(1) Sociólogo estadunidense considerado um teórico fundamental da burocracia, da sociologia da ciência e da comunicação de massa.

(2) Princípio desenvolvido pelo filósofo norueguês Arne Naess segundo o qual todos os seres do Planeta – tanto os vivos, como os animais, vegetais, etc, quanto os não-vivos, como as pedras, as montanhas, os lagos, mares, etc – possuem mesmíssimo valor, sendo este INDEPENDENTE de um uso antrópico a ele atribuído pelas sociedades humanas.



Paulo H. M. Lütkenhaus
Sociólogo / Pós-Graduando em Avaliação de Flora e Fauna em Estudos Ambientais (UFLA) / Ambientalista / Defensor dos direitos dos animais / Cicloativista

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

PESQUISE NA INTERNET E AJUDE A PLANTAR ÁRVORES!

Criado em agosto de 2009, o site www.eco4planet.com se dispõe a realizar o plantio de 1 árvore para cada 50.000 pesquisas nele efetuadas. Já são mais de 150 árvores plantadas e a equipe ainda disponibiliza um blog (anotem aí: blog.eco4planet.com) onde, além de poderem ser conferidos os plantios realizados, o internauta ainda tem acesso a notícias pertinentes aos temas de ecologia, meio ambiente, energias e tecnologias alternativas, consumo consciente, impactos ambientais, medidas políticas relativas a questões ambientais, dentre outras afins.

Atualmente, a média de plantios/dia (estimativa, claro) encontra-se em torno de 1,5 a 2,5 árvores/dia (pelo que tenho acompanhado o site). Mas, com certeza,
se todos apoiarmos esta medida e utilizarmos esta ferramenta/site www.eco4planet.com como nosso site PADRÃO de pesquisas na Internet, conseguiremos aumentar bastante essa média e contribuir bastante para um Brasil mais arborizado. Além, é claro, dos vários benefícios trazidos pela arborização, tais como redução da temperatura do ar, redução da poluição atmosférica urbana, redução dos ruídos, sombras, recuperação, restauração e manutenção da capacidade produtiva do solo, recarga dos lençóis freáticos, assim como conservação e manutenção da água, composição da mata ciliar, produção de oxigênio, frutos, assim como abrigo para a fauna silvestre, além de contribuir para o embelezamento da paisagem natural dentre outros (Vide alguns outros benefícios nos seguintes links: http://www.rge-rs.com.br/gestao_ambiental/arborizacao_e_poda/beneficios.asp, http://www.bonde.com.br/bonde.php?id_bonde=1-12--79-20080920, http://amigaarvore.wordpress.com/beneficios-das-arvores-tree-benefits/, http://www.tribunatp.com.br/modules/publisher/item.php?itemid=434&keywords=produz, http://www.agsolve.com.br/noticia.php?cod=2487).

Outra coisa importante a ser aqui mencionada é o fato de que as árvores plantadas não são escolhidas aleatoriamente. Existe uma equipe de pessoas experientes (tais como biólogos e engenheiros florestais) que, através de análises criteriosas do clima, solo, cobertura vegetal original do local onde serão plantadas as árvores, dentre outros fatores, determinam, então, quais as espécies adequadas a serem plantadas naquele determinado local.

Portanto, não percam tempo! Acessem já o site www.eco4planet.com,
façam dele seu site PADRÃO de pesquisas na Internet e vamos ajudar a arborizar esse Brasilzão lindo nosso!!! ;-)

Um grande abraço a todos,


Paulo H. M. Lütkenhaus